Sem Orelha!

Mulato Bamba – Ou “Receita para escapar do BBB”

Os gritos ecoaram da Alameda Tietê até a Antonio Carlos. Achei que fosse futebol ou algo assim. Não dei bola. Hoje cedo fiquei sabendo que se tratava do final do Big Brother. Houve um tempo que falar de Big Brother era falar de literatura, da obra 1984. Hoje se resume a esse progaminha que tanto agrada as massas. Que bom que o povo ainda se diverte com pão e circo. Talvez eu quisesse ser assim, como essas pessoas que encontramos em todo canto, e que conseguem se divertir com coisas desse nível, tão fáceis de encontrar. Acho compreensivo. Não sei o que esse cara que ganhou fez de comentário homofóbicos, que todos falaram, só me admira um país tolerar isso (e dar o prêmio para ele). Se ele tivesse dito algo que ofendesse os negros, ou mulheres, ou algum outro absurdo assim, será que teria ganho?

Pra mudar de assunto, nada melhor que a poesia de Noel Rosa e a elegância de Mario Reis. Quando descobri o samba, na minha adolescência, descobri João Gilberto. E me encantei. Logo depois surgiu Mario Reis, aí foi amor a primeira vista. Aquilo era moderno, elegante, cool… ainda mais por ser música cantada nos anos 30, época em que a maioria dos cantores brasileiros ainda estava preso ao Bel Canto.

Bom, o mundo ainda é bem preso ao Bel Canto. Esse povo que gosta do BBB acha que cantar gritando é sinal de que a pessoa sabe cantar, e que isso é bom. Grite e você ganha nota alta no karakê e aumenta instântaneamente sua audiência. Então isso tudo reforça ainda mais a modernidade de Mario Reis.
Pois bem, semana passada comprei o CD com músicas de Noel lançado pela Folha. E lá tem uma gravação impecável de Mario Reis para Mulato Bamba (no video acima, em uma versão de uma cantora que não conheço ainda). Mulato Bamba foi escrito em 1931 por Noel Rosa, e apresenta um malandro carioca, gay, valente e admirado (dizem que inspirado em Madame Satã - veja a letra aqui). Isso em 1931. O que o cara do BBB teria para falar sobre isso? Uma música gay, composta por um compositor hetero, cantado de forma sensual por “uma homem de sociedade” como Mario Reis. É irônico. E eu devo ser muito esquisito mesmo por precisar desse tipo de entretenimento. E mais esquisito ainda por achar um cara dos anos 30, que eu só vi em videos antigos e ouvi em gravações ruidosas, sensual. Mas sei que tá cheio de gente “freak” como eu, então separei um video de Mario Reis para gente como nós:


  • Twitter
  • Facebook
  • Tumblr
  • MySpace
  • StumbleUpon
  • Technorati
  • del.icio.us
  • Google Bookmarks
  • Live
  • email
  • RSS

Esse post foi publicado quarta-feira, 31 de março de 2010 às 23:54, e arquivado em Música, Pensamentos, por Ale Venancio.
Você pode acompanhar os comentários desse post através do feed RSS 2.0.

3 comentários para “Mulato Bamba – Ou “Receita para escapar do BBB””

  1. Lina disse:

    Adoro seus “ataques freaks”, são bons alimentos para outros freaks, como eu, rs…
    E quanto ao BBB, concordo em tudo, mas acho interessante pensar que o resultado foi reflexo de um povo que não tem educação.
    Desta vez vi este programa como um interessante estudo sobre os brasileiros atualmente, e aí penso que o resultado não poderia ter sido outro, infelizmente.

  2. cintialie disse:

    Bom, sobre BBB, não consigo assistir mais de 5 minutos e olha que já tentei… tentei pelo fato de “tentar entender” o que tanto as pessoas acham de interessante neste programa. Para mim nada mais é que uma novela sem enredo, com vários personagens que de um modo ou de outro se encontram durante a trama e descobrem que são irmãos, parentes e não podem se casar no final disto tudo… mas no fim todo mundo fica feliz pq todo mundo ganha o prêmio.. menos a gente que fica assistindo…

    Ainda assim nao cheguei à conclusão nenhuma do BBB e já estamos em qual edição? não sei tb… só sei que já tá rolando algum tempo…

    Bom, continuamos então a ver outras coisas enqtos os outros assistem o BBB.

  3. Ale Venancio disse:

    Isso aí, ainda bem que temos opção… ;)

Deixe um comentário

© Copyright 2019 - oportodesign.com